Notícias Corporativas

Adani Group Condena Campanha Maliciosa do Financial Times para Manchar sua Reputação Mundial

DINO
Escrito por DINO
Visto por mais de 3.000 pessoas

Receba acesso a Dezenas de Workshops, Artigos, Cursos e vagas na área de data science.

O Adani Group, o principal conglomerado empresarial integrado da Índia, emitiu uma declaração nos meios de comunicação social contra o Financial Times, por plantar repetidamente relatórios difamatórios contra o mesmo.

Tendo falhado em tentativas anteriores, desta vez o FT está reciclando uma alegação infundada de sete anos, baseada em uma circular, que lista 40 entidades importadoras de carvão indianas, incluindo a Adani, por sobrepreços das importações de carvão. Os 40 nomes incluem todos os principais geradores de energia indianos. Contudo, o FT está deliberadamente destacando a Adani. Isto é evidente a partir de um grande conjunto de perguntas compartilhadas por um dos seus repórteres em busca de respostas do Grupo.

O Financial Times iniciou a sua campanha enganosa em março de 2023. Publicou uma história factualmente incorreta sobre fundos levantados pelo Adani Group. Este relatório incorreto confundiu os investidores e espalhou informações incorretas nos mercados, prejudicando assim a credibilidade do Grupo. Nos últimos nove meses, o FT publicou mais de 20 histórias e um vídeo para divulgar estas informações falsas e infundadas. Não é mera coincidência que tais histórias tenham a estranha capacidade de aparecer pouco antes das datas de audiências de casos importantes nos tribunais da Índia.

A próxima audiência no Supremo Tribunal sobre o caso Adani-Hindenburg está marcada para 13 de outubro de 2023. A última história do FT, intitulada “Trilha de papel secreto revela os investidores ocultos de Adani”, foi estrategicamente cronometrada pouco antes da última audiência em agosto de 2023.

O Adani Group emitiu a seguinte declaração em 9 de outubro de 2023:

“Há uma tentativa reiterada pelo Financial Times e por seus colaboradores de refazer alegações antigas e infundadas para manchar o nome e a posição do Adani Group. Isto faz parte de sua extensa campanha para promover interesses instalados sob o pretexto do interesse público.

Continuando sua campanha incansável, o próximo ataque está sendo liderado por Dan McCrum do Financial Times, que junto com o OCCRP divulgou uma narrativa falsa contra o Adani Group em 31 de agosto de 2023. O OCCRP é financiado por George Soros, que declarou abertamente sua hostilidade contra o Adani Group.

Tendo falhado anteriormente, o FT está fazendo outro esforço para desestabilizar financeiramente o Adani Group, ao levantar uma alegação antiga e infundada de superfaturamento das importações de carvão. A história proposta pelo FT se baseia na Circular de Alerta Geral n.º 11/2016/CI da DRI, com data de 30 de março de 2016. A agenda descarada do FT é exposta pelo fato de terem destacado o Adani Group, enquanto a Circular da DRI, a razão de ser para toda a história, cita até 40 importadores, incluindo empresas do Adani Group. Esta lista não inclui apenas alguns dos principais geradores de energia privados da Índia, como Reliance Infra, JSW Steels e Essar, mas também as empresas estatais de geração de energia de Karnataka, Gujarat, Haryana, Tamil Nadu, etc., bem como a NTPC e a MSTC.

Vale ressaltar que, no caso da Infraestrutura do conhecimento, um dos 40 importadores citados na Circular de Alerta Geral, a Notificação de Causa da DRI alegando supervalorização na importação de carvão foi anulada pelo tribunal de segunda instância (CESTAT). Além disto, o recurso da DRI foi rejeitado e retirado pelo Honorável Supremo Tribunal da Índia em 24 de Janeiro de 2023, com a observação de que “apreciamos a posição tomada pelo Governo em não entrar em litígios fúteis”. É evidente que a questão da supervalorização na importação de carvão foi solucionada de modo conclusivo pelo mais alto tribunal da Índia.

O enredo proposto pelo FT é uma reciclagem inteligente e uma deturpação seletiva de fatos e informações publicamente disponíveis, com uma supressão deliberada e maliciosa de decisões judiciais para chegar a uma conclusão predeterminada. Demonstra pouco respeito pelos processos e autoridades regulamentares e judiciais da Índia. Também ignora deliberadamente o fato de que a aquisição de carvão na Índia com base no fornecimento a longo prazo é feita através de um processo de licitação aberto, transparente e mundial, eliminando assim qualquer possibilidade de manipulação de preços. A fixação de tarifas pela Comissão Central Reguladora de Eletricidade (CERC) é um processo aberto, transparente e independente, onde as tarifas são fixadas após cuidadosa avaliação de todas as variáveis e em consultas com o gerador, distribuidor e consumidores varejistas de energia. Assim, é claro que as várias partes interessadas têm diversas oportunidades de analisar todos os aspectos que determinam as tarifas, incluindo o valor de importação do carvão. Assim, a questão de superfaturamento ou da manipulação de preços não está pretendida.

É lamentável que algumas entidades estrangeiras como o OCCRP, apoiadas por uma seção da mídia estrangeira, vendedores a descoberto e colaboradores nacionais, tenham lançado uma série de ataques contra o Adani Group com a intenção principal de reduzir seu valor de mercado. Na verdade, estas pessoas e grupos, unidos pelo objetivo comum de prejudicar o Adani Group, desenvolveram um manual que está sendo executado com perfeição por uma maquinaria profissional e bem lubrificada que trabalha em sincronia tanto na Índia como no exterior.

Não é mera coincidência que tais histórias tenham a estranha capacidade de aparecer pouco antes das datas das audiências de casos importantes nos tribunais da Índia.

Embora neguemos todas estas alegações, que são falsas e infundadas, também condenamos tais tentativas deliberadas e motivadas de desestabilizar o Adani Group. Somos uma empresa cumpridora da lei que segue integralmente todas as regras, regulamentos e requisitos de divulgação, com total respeito pelo estado de direito.”

O texto no idioma original deste anúncio é a versão oficial autorizada. As traduções são fornecidas apenas como uma facilidade e devem se referir ao texto no idioma original, que é a única versão do texto que tem efeito legal.

Contato:

Para consultas de mídia, entrar em contato com: Roy Paul, roy.paul@adani.com

Fonte: BUSINESS WIRE

Licença de uso do conteúdo.

O conteúdo do Portal ABRACD.org foi escrito sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.