O que uma psicanalista e coach faz em uma Associação de Ciência de Dados?

Quando era uma criança, e me foi colocado que deveria escolher uma profissão, não tive dúvidas: quis estudar, conhecer e trabalhar com o comportamento humano. Mas lá… praticamente no início dos anos 1990, o que se falava era da profissão do futuro – os  computadores. Então, após algumas análises, (pois já cursava processamento de dados no colégio) a melhor decisão era cursar, então, a profissão do futuro.

Pois bem, lá aos 17 anos ingressei, no curso de Ciências da Computação. Julgo ter sido a melhor opção, pois hoje, quase 25 anos depois,  acompanhei de perto toda evolução que a tecnologia da ciência da computação (e agora de dados) passou.

Entretanto, nesta fase da vida, a paixão pelas pessoas e seus comportamentos só vem crescendo. Cada dia que passava envolvida com as máquinas, dados e informações de inteligência artificial, pensava sobre quem iria facilitar o aprendizado dos seres humanos, ou ainda como ficaria a qualidade de vida das pessoas com toda aquela inovação avassaladora que  vem acontecendo.

Foi então que comecei a buscar respostas para estas indagações. Nessa busca, encontrei o coaching, a programação neurolinguística, a psicanálise, as constelações sistêmicas integrativas e a neurociência, fazendo com que transitasse de Tecnologia da Informação para a área de desenvolvimento humano, ou seja, venho, nos últimos 3 anos, aprofundando nos comportamentos e sentimentos humanos. Sei da importância da área tecnológica – pois esse é o futuro que chegou e o vivenciamos –  mas mergulhei de cabeça nessa nova área de trabalho. E vou agora falar da ligação que existe entre o trabalho do comportamento humano, psicanálise e a Associação Brasileira de Ciências de Dados.

Os dados são gerados por humanos, pelos comportamentos e mesmo com toda a evolução das máquinas e a substituição em algumas profissões dos humanos por máquinas e robôs, os sentimentos continuam sendo apenas sentido por pessoas. Eles são individuais. Cada um de nós é um  entre os 7,6 bilhões, (em novembro de 2018, segundo: http://www.worldometers.info/world-population) que compõem a população humana na Terra, cada qual com suas angústias, ansiedades, frustrações, dores e medos, e precisarão evoluir, mesmo com toda a inteligência artificial espalhada e acessível.

Como já dizia Carl Gustav Jungpsiquiatra e psicoterapeuta suíço, que fundou a psicologia analítica: Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar numa alma humana, seja apenas outra alma humana”. E então eu me coloquei a disposição para integrar esta equipe interdisciplinar da ciências de dados com o  objetivo de contribuir com artigos, sugestões e partilha de conhecimento, no gerenciamento das emoções, sentimentos e comportamento humano, para sermos hoje melhor do que ontem, e amanhã melhor que hoje em qualidade de vida, felicidade, leveza e, claro, reconhecimento na carreira.

Pense com coração e aja com a cabeça, que no final dá tudo certo!

 

Avatar

Darlim Paula Marques

Facilitadora do aprendizado de pessoas que estão insatisfeitas em seus trabalhos e ou vida pessoal a alcançarem mais leveza, reconhecimento e produtividade. Palestrante. Experiência de 23 anos de vivência no meio corporativo, sendo oito anos em cargo de coordenação e gerência liderando equipes multifuncionais, em empresas multinacionais de grande porte nos segmentos: Petroquímico, Têxtil, Químico, Gráfico, Corretora de Seguros, Metal Mecânico, Tecnologia Bancária.

Pin It on Pinterest