Notícias Corporativas

Mulheres estão menos assíduas aos cuidados com a saúde

DINO
Escrito por DINO
Mulheres estão menos assíduas aos cuidados com a saúde
Junte-se a mais de 3.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos sobre Data Science

Historicamente, as mulheres têm o hábito de cuidar da saúde, frequentar os consultórios médicos e seguir o protocolo de realização dos exames preventivos. No entanto, a cobertura de mamografias no Brasil ainda está muito abaixo dos 70% recomendados pela Organização Mundial da Saúde. Segundo levantamento da Sociedade Brasileira de Mastologia SBM, em 2021, a cobertura média foi de 20%. O número de mulheres que realizaram o exame pelo SUS em 2021 foi de 1,6 milhão, representando 15% a menos que o número registrado no período pré-pandemia. Em 2020, primeiro ano da pandemia, foi registrada uma queda de 40%.

Segundo a SBM, um dos motivos para a baixa adesão à mamografia pode ser a má distribuição da cobertura de exames no país. Segundo a médica radiologista do São Marcos, Dra. Izabela Machado, tem se observado também que elas têm ficado um tempo maior do que o recomendado sem as consultas de rotina e sem realizar os exames preventivos. Essa desatenção pode estar associada ao acúmulo de responsabilidades e funções, que intensificaram o ritmo de vida e alteraram os hábitos de uma forma geral.

Com o objetivo de descomplicar a rotina de cuidados com a saúde da mulher, o São Marcos, marca pertencente à Dasa, criou um espaço exclusivo para o público feminino realizar todos os exames solicitados pelo médico de forma otimizada. No Espaço Mulher, que fica na nova unidade Cidade Jardim, em Belo Horizonte, as pacientes podem realizar exames obstétricos e preventivos, como mamografia, ultrassonografia geral, fetal e transvaginal, densitometria óssea, dentre outros, com equipe de atendimento inteiramente formada por mulheres.

A médica radiologista do São Marcos, Dra. Izabela Machado, destaca que o atraso na realização dos exames periódicos pode impedir o diagnóstico precoce de várias enfermidades, como o câncer de mama, de ovários e de colo do útero. “A detecção dessas doenças nos estágios iniciais é fator preponderante no tratamento e aumenta as chances de cura. Por isso, ao longo de todo o ano, procuramos conscientizar nosso público feminino a adotar e manter a rotina de cuidados, a se consultar com o médico de referência e realizar os exames solicitados o quanto antes”, afirma a médica.

A Dra. Izabel integra a equipe da Jornada da Mama do São Marcos, uma linha de cuidados voltada para as mulheres, permitindo que elas possam realizar a consulta médica e todos os exames preventivos indicados de uma só vez. O programa é oferecido no Espaço Mulher da nova unidade do São Marcos no bairro Cidade Jardim.

Tecnologia aliada ao diagnóstico

Os exames de imagem representam importante papel na detecção precoce de algumas doenças, contribuindo para que o tratamento seja mais bem planejado e para aumentar a longevidade das mulheres.

A ultrassonografia é um dos exames mais utilizados na saúde da mulher, permitindo a visualização de órgãos como útero e ovários, além de do monitoramento da gestação. Por isso, são frequentemente indicados para garantir o bom funcionamento da saúde, além de identificar possíveis problemas, malformações e patologias. A ultrassonografia também tem importante papel na avaliação de nódulos na tireoide e nas mamas de pacientes jovens, com implante de próteses ou com muita glândula.

Já a ressonância magnética tem sido cada vez mais utilizada para a pesquisa e mapeamento da endometriose, doença comum em mulheres jovens e que pode levar à infertilidade e dores que atrapalham a vida sexual e o trabalho. A pesquisa de causas de infertilidade e a avaliação de sangramentos vaginais intensos, tanto antes quanto depois da menopausa, podem ser feitas com ultrassonografia transvaginal ou por ressonância magnética.

Câncer de mama

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas um quarto das mulheres com idades entre 50 e 69 anos realizam exame de rastreamento de câncer de mama no Brasil e uma a cada 10 desenvolvem a doença em algum momento da vida. Fazer a mamografia na periodicidade indicada pelo médico especialista permite que 95% dos casos sejam diagnosticados com maiores chances de cura.

“Quando a gente fala de câncer de mama, é o tipo que mais mata mulheres. E no Brasil, temos uma peculiaridade, a doença acomete mulheres cada vez mais jovens. Nós queremos reduzir a mortalidade e a mamografia é o principal método de imagem de rastreamento e diagnóstico do câncer de mama”, alerta Dra. Izabela.

A médica explica que a mamografia é um exame radiológico utilizado para rastreamento do câncer de mama com grande impacto na sobrevida das pacientes. Possui alta resolução e fornece imagens detalhadas capazes de identificar precocemente a doença, antes mesmo que a mulher tenha sintomas. O exame faz parte da Jornada da Mama.

Licença de uso do conteúdo.

O conteúdo do Portal ABRACD.org foi escrito sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.