Notícias Corporativas

Mercado tech: é possível atuar em TI sem saber programar

DINO
Escrito por DINO
Mercado tech: é possível atuar em TI sem saber programar
Junte-se a mais de 3.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos sobre Data Science

Um novo ano começa e com ele muitas pessoas passam a procurar por novos caminhos e oportunidades profissionais. Entre as áreas mais promissoras para 2023, o setor de TI ganha destaque. No entanto, muitos talentos em potencial deixam de investir na área por ​​acreditarem em falsos estereótipos sobre esse mercado, é isso o que explica uma das maiores edtechs do Brasil, a Cubos Academy.  

Ao contrário das informações que constam no imaginário popular, a área de Tecnologia da Informação engloba diversas funções, para se aventurar nesse segmento, não é imprescindível saber programar, ser um gênio de exatas ou executar apenas tarefas operacionais. 

Um dos maiores desafios do mercado é atrair novos profissionais para ​preencher​​ ​as inúmeras vagas disponíveis. Até 2024, de acordo com a Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação, o setor deve demandar cerca de 420 mil profissionais. Diante disso, cabe aos especialistas que já estão na área ​desmistificar​​em os estereótipos que afastam diversos perfis que podem se desenvolver em diferentes áreas do segmento de TI. 

De acordo com José Messias Júnior, CEO da Cubos Academy, a área de TI está em constante movimento, o que favorece a consolidação de novas habilidades e cargos que fogem da tradicional programação. 

‘’Existe um movimento muito forte de procura por profissionais da área de design UX/UI e product management, por exemplo. Ambas as funções não exigem que o profissional saiba programar, embora seja sim um diferencial. No entanto, para esses cargos, outras skills ganham destaque’’, explica Júnior.  

O designer UX/UI é o responsável pela experiência e pela parte visual de um site ou aplicativo, para isso, é necessário que o especialista entenda os objetivos estratégicos do negócio, de forma que a identidade visual da interface converse com o público-alvo do cliente.  

Já o product management é o encarregado pelas etapas de desenvolvimento dos produtos de uma empresa. Ou seja, essa pessoa é quem planeja e executa a estratégia por trás do produto, estabelecendo suas funcionalidades e viabilizando o acesso aos recursos necessários para a sua produção.  

‘’De acordo com o Vagas, a média salarial para um designer UX/UI é de R$ 4.552, e a remuneração para product management é de R$ 7.924. Ambas as funções contam com uma projeção de crescimento ​e​​​m ​​​alta e uma disposição de vagas bastante positiva para os que querem ingressar nas áreas’’, compartilha o CEO.  

E ainda para os que consideram entrar para a área de TI por meio dos caminhos mais ‘’tradicionais’’, aprender a programar não exige muito conhecimento em matemática. Outras habilidades são consideradas diferenciais significativos pelas empresas, como as soft skills, por exemplo.  

De acordo com o panorama produzido pela Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE), as características mais valorizadas pelo mercado de TI são: resolver problemas (90,8% dos respondentes), seguida por trabalho em equipe (78%) e proatividade (68%). 

‘’Basicamente, para programar só é necessário dominar regra de três e lógica. Ou seja, não é preciso ser um prodígio de exatas. Além disso, outras habilidades mais relacionais são vistas ​como​​ um grande atrativo para o mercado. Ou seja, todos podem aprender a programar e caso não queiram, ainda existe muito espaço no mercado de TI para alavancar a carreira em outras frentes para além dos códigos’’, finaliza Júnior.  

Licença de uso do conteúdo.

O conteúdo do Portal ABRACD.org foi escrito sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.