Notícias Corporativas

Gartner: 58% das organizações empregam talentos de TI de fora de seus países

DINO
Escrito por DINO
Junte-se a mais de 3.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos sobre Data Science

O Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento para empresas, anuncia nova pesquisa que mostra que 58% das principais empresa do mundo possuem profissionais de tecnologia trabalhando de forma totalmente remota e sem fronteiras. Esse número dobrou nos últimos três anos. 

O Gartner define ‘Força de Trabalho Sem Fronteiras’ como talentos que trabalham remotamente a partir de diferentes países, com um contrato de trabalho feito além das fronteiras dos locais onde as empresas estão instaladas. À medida que essa tendência aumenta, a pesquisa também destaca que 27% dos líderes estão atualmente analisando a possibilidade de contratar mais funcionários de tecnologia sem fronteiras. 

“Não é surpresa que a taxa de ‘Força de Trabalho Sem Fronteiras’ tenha dobrado nos últimos três anos, pois o aumento da retenção e contratação nesse tipo de modelo subiu para o TOP 3 das prioridades para os executivos para 2022 e para 2023”, afirma Gabriela Vogel, Analista e Diretora Sênior do Gartner. “A pandemia da COVID-19 também acelerou as contratações sem fronteiras, fazendo com que o movimento deixasse de ser uma exceção, como era no começo”, diz a analista. 

A pesquisa mundial do Gartner foi realizada com 288 executivos e seus subordinados diretos durante o segundo trimestre de 2022, com o objetivo  de entender a disponibilidade de buscar uma força de trabalho de tecnologia sem fronteiras, entender os planos e a adoção de um modelo de trabalho com funcionários que moram em outros países. 

“Hoje, no mundo profissional, a localização é fluída, o mercado é global e a competição de talentos é agnóstica, pois todos competimos sob a mesma bandeira: a da tecnologia”, diz Vogel. “Consequentemente, os países estão perdendo talentos para outros locais, o setor público está perdendo talentos para o setor privado e todas as verticais estão na mesma situação. Não há mais limites de concorrência e, portanto, os líderes de negócios e de TI estão tendo que contratar funcionários sem fronteiras para ter maior vantagem competitiva no que chamamos de ‘zona sem fronteiras’”, reforça a analista. 

A pesquisa indica que, entre as organizações que têm talentos alocados fora de suas fronteiras, 19% do total da força de trabalho de TI está nesta situação. “A contratação de funcionários sem fronteiras exige que os líderes de negócios e de TI façam ajustes significativos em seu modelo operacional, incluindo a revisão de suas técnicas de gerenciamento, infraestrutura, tecnologia, segurança cibernética, proteção de dados e equidade salarial”, diz Vogel. 

 

Brasil é décimo País com maior força de trabalho sem fronteiras – A Índia é o país que lidera na oferta de mão de obra de tecnologia sem fronteiras para empresas europeias e norte-americanas, seguido pelo Reino Unido e pela Alemanha, respectivamente, em segundo e terceiro lugares. A pesquisa também mostra que a Europa tem uma concentração significativa de contratação dentro dos países da região, uma vez que tem leis trabalhistas favoráveis ​​a funcionários sem fronteiras. 

O Brasil aparece na décima posição do ranking global entre os países com maior força de trabalho sem fronteiras. O País representa 5% do total de profissionais contratados para os Estados Unidos e 8%, para a Europa. 

As duas principais áreas de especialização para as quais CIOs (Chief Executive Officers) e líderes de TI estão procurando talentos sem fronteiras são engenharia de software e desenvolvimento de aplicações (62% dos entrevistados), além de suporte a aplicações (55% dos entrevistados). 

Enquanto 71% das empresas pesquisadas disseram que é fundamental levar em consideração as necessidades específicas dos trabalhadores de tecnologia sem fronteiras em sua estratégia de local de trabalho, 50% das organizações indicam que já possuem ferramentas totalmente implementadas para colaboração e produtividade, como soluções em Nuvem, sistemas de colaboração de fluxo de trabalho, soluções para reuniões e para quadro branco digital. 

 

Restrições que impedem a adoção – No entanto, a adoção de profissionais sem fronteiras não é para todo tipo de organização. “Existem certas restrições que impedem a aceitação e expansão de uma operação sem fronteiras, que vai desde a complexidade do suporte administrativo, questões culturais e chegam até as preocupações de segurança e de legalidade”, diz Daniel Sanchez-Reina, Analista e Vice-Presidente do Gartner. 

Licença de uso do conteúdo.

O conteúdo do Portal ABRACD.org foi escrito sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.