Notícias Corporativas

Fornos de panificação: quais as diferenças entre os diferentes tipos?

DINO
Escrito por DINO
Fornos de panificação: quais as diferenças entre os diferentes tipos?
Junte-se a mais de 3.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos sobre Data Science

Pode ser na chapa, com manteiga, geleia ou frios: o “pãozinho” faz parte do café da manhã de 7 entre 10 brasileiros (76%), conforme mostrou um levantamento do Sindipan-MT (Sindicato da Indústria de Panificação e Confeitaria do Estado de Mato Grosso).

Paralelamente, uma pesquisa da consultoria Kantar para a Abimapi (Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães e Bolos Industrializados) revelou que os pães fazem parte da rotina alimentar de 98,7% dos lares do país, mesmo em tempos de crise.

O hábito dos brasileiros impulsiona o mercado de panificação e confeitaria: são mais de 70 mil padarias espalhadas em todo o país, segundo a Abip (Associação Brasileira da Indústria de Panificação e Confeitaria). Aliás, o faturamento do setor chegou a R$ 105,85 bilhões no em 2021, uma expansão de 15,3% em comparação ao ano precedente, conforme informou o presidente da Associação, Paulo Menegueli, à CNN Brasil.

Para Rinaldo Leite de Camargo, diretor da FERRI – empresa que fabrica e distribui fornos para padarias, confeitarias, food services e mercado de panificação em todo o Brasil -, os números deixam claro que o “pão de cada dia” faz parte da rotina da cultura brasileira.

Ele também destaca que uma padaria se tornou algo “muito maior” hoje em dia. “A maioria das padarias já trabalha com o setor gastronômico, preparando almoços, jantares e festivais de sopas, por exemplo”.

Com isso, prossegue, as empresas do gênero ampliaram sua cartela de produtos, além da padaria e confeitaria, o que levou a um consumo maior em toda linha de fabricação. “Desta forma, o consumidor aumenta a sua frequência no estabelecimento e consome muito mais”, complementa.

Forno adequado exige atenção

Camargo afirma que, por conta de seus números positivos, o mercado de panificação e confeitaria tem sido alvo de um interesse crescente de empreendedores e investidores. Entre os elementos necessários para atuar no ramo, ele afirma que a compra dos fornos certos merece a máxima atenção.

O especialista explica que há três principais tipos de fornos utilizados para panificação: forno de lastro, forno turbo, forno de convecção. Além disso, cada tipo de forno possui suas especificidades e, por conta disso, é indicado para um tipo específico de produção.

“Os fornos de lastro e turbo são indicados para assamento de produtos de panificação, confeitaria seca e fresca, além de pizzas, salgados e similares. Já os fornos de convecção são indicados para pequenas e médias quantidades de assamentos em panificação, como  confeitaria, pão de queijo, biscoitos e tortas”, explica Camargo.

Além disso, acrescenta, os fornos de convecção podem ser utilizados para pré-assamento de pizzas, salgados, carnes, aves e suínos, entre diversos outros tipos de alimentos.

De acordo com o diretor da FERRI, podem ser observadas algumas diferenças entre os fornos fabricados no Brasil e no exterior. “Os fornos fabricados no país proporcionam melhor adaptação às necessidades dos brasileiros, com um custo acessível e material de alta qualidade – coisa que, com um forno vindo do exterior, seria totalmente diferente”. 

Para mais informações, basta acessar: https://cotacao.ferri.com.br/

Licença de uso do conteúdo.

O conteúdo do Portal ABRACD.org foi escrito sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.