Notícias Corporativas

FAEP apoia construção de fogão solar por três alunos da ETEC Jaraguá

DINO
Escrito por DINO
FAEP apoia construção de fogão solar por três alunos da ETEC Jaraguá
Junte-se a mais de 3.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos sobre Data Science

O Brasil vive um cenário econômico conturbado, que vem afetando, principalmente, as camadas mais pobres do país. A elevação dos preços de produtos básicos está esvaziando o bolso de muitas famílias brasileiras. Um dos exemplos é o gás de cozinha: de acordo com levantamento semanal da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), publicado em 13 de outubro de 2022, no portal Infomoney, o produto está 25% mais caro no Brasil, do que no exterior. Enquanto um botijão de 13 kg custa, aproximadamente, R$ 39 em outros países, a Petrobras cobra R$ 49, 19 no Porto de Santos. Já para o consumidor final, o preço se eleva para R$ 112,13, com o acréscimo de impostos e margens de revenda.

Diante de todo esse panorama, e pensando em uma alternativa segura, sustentável e econômica ao uso do gás de cozinha ou lenha, três estudantes do ensino médio integrado ao ensino técnico em eletrotécnica, da ETEC Jaraguá, em São Paulo – Caio Gabriel da Silva (18), Ivan Olégario de Matos Júnior (17) e Fábio Barreto de Araújo (17) –, desenvolveram um fogão solar parabólico, capaz de concentrar os raios solares para o cozimento dos alimentos. Sob orientação do professor Jean Mendes Nascimento, o projeto recebeu apoio da Faculdade de Educação Paulistana (FAEP) para a aquisição parcial dos recursos necessários.

A iniciativa do patrocínio veio da diretora acadêmica da FAEP, Vânia Costa, também professora de Física da ETEC Jaraguá. Ela se interessou pelo trabalho dos estudantes e intermediou o contato com a diretoria geral da faculdade que custeou, parcialmente, o protótipo do fogão solar. “Para nós, da instituição acadêmica, é extremamente importante oferecer apoio aos alunos para a realização de trabalhos como esse, a fim de que possam desenvolver todo o seu potencial.  Afinal, nós sabemos que as escolas públicas não recebem verba para patrocínio desses projetos e os alunos possuem dificuldades em arrecadar recursos para concretizá-los. Por isso, nós sempre buscamos apoiá-los, dentro de nossas possibilidades, por meio de parcerias”, ressalta a diretora.

De acordo com Ivan Olegário, um dos jovens que atuou na construção do fogão solar, a ideia do projeto surgiu durante as aulas de planejamento e desenvolvimento do Trabalho de Conclusão de Curso em Eletrotécnica. Na ocasião, os estudantes foram introduzidos à abordagem científica, com explicações sobre a metodologia de engenharia e incentivo à observação dos problemas locais. “Por conta disso, após ver um vídeo sobre fogões solares nas redes sociais, passei a avaliar a possibilidade de aplicar essa tecnologia na comunidade local, sendo que a ideia foi bem recebida pelos demais integrantes do grupo de TCC e pelo professor orientador, que nos incentivou a buscar uma forma de aplicar nisto os conhecimentos técnicos obtidos durante o curso”, explica Ivan.

O projeto vem sendo desenvolvido há 4 meses, a partir de pesquisas sobre o potencial local de utilização dos fogões solares. “Em seguida, desenvolvemos um projeto 3D e modelamos uma ideia inicial que, ao longo da elaboração do protótipo físico, sofreu diversos ajustes visando um design mais eficiente, com a adição de movimento automatizada no fogão solar sendo bem trabalhosa, porém, proveitosa para melhor captação dos raios solares.” 

Além disso, Ivan destaca que o equipamento está sendo elaborado de maneira que ganhe autonomia para ser utilizado, também, em momentos de baixa incidência solar: “O fogão solar que estamos desenvolvendo já conta com uma movimentação similar ao dos girassóis para seguir a trajetória solar, com a adição de um sistema de indução removível alimentado por energia fotovoltaica, em fase de testes”.

O projeto já alcançou resultados parciais e foi exposto na 12ª Feira de Ciências e Tecnologia Bragantec, realizada entre os dias 6 a 8 de outubro de 2022, no Instituto Federal de Bragança Paulista, onde concorreu ao prêmio de sustentabilidade na área de engenharia. “Para mim, a feira foi uma excelente experiência, com mais de 80 projetos expostos, provenientes de 29 escolas. Foi uma ótima oportunidade de contato com estudantes de outras instituições e avaliadores atuantes no meio acadêmico. Nós recebemos excelentes comentários sobre nosso fogão solar e os avaliadores demonstraram grande interesse, o que significa que estamos no caminho certo”, conclui.

Para Vânia Costa, esta é mais uma demonstração da importância de investir no potencial dos educandos para que possam fazer a diferença na sociedade em que vivemos.

Licença de uso do conteúdo.

O conteúdo do Portal ABRACD.org foi escrito sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.