Notícias Corporativas

Equilíbrio entre avanço tecnológico e valorização profissional desafia empresas

DINO
Escrito por DINO
Equilíbrio entre avanço tecnológico e valorização profissional desafia empresas
Junte-se a mais de 3.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos sobre Data Science

A tecnologia permeia diversos segmentos da sociedade, e no ambiente corporativo não é diferente. Segundo uma pesquisa realizada pela Cortex, empresa de inteligência de dados para marketing e vendas, os setores de varejo, financeiro, serviços, construção e educação  são os que mais investem em tecnologias digitais no Brasil. De acordo com a pesquisa, esses são os mercados mais avançados tecnologicamente entre as 233,4 mil empresas analisadas entre matrizes e filiais.

A análise mostra que o varejo foi o setor com a maior adoção tecnológica, com destaque para as áreas de comércio de vestuário, acessórios, produtos alimentícios e produtos farmacêuticos. De modo geral, dentre as organizações estudadas, 79,1 mil têm um alto nível de tecnologia, 105 mil possuem um grau médio e 49,3 mil ainda contam com uma baixa adesão.

Segundo a Cortex, os empreendimentos foram avaliados em diversas categorias, como Cloud Providers, Business Email Hosting, CRM, Marketing Automation, AI Services, Blog, E-commerce e Security, nas quais receberam uma pontuação de 0 a 100. Ao todo, 9.585 tecnologias foram monitoradas.

Em entrevista ao site Varejo S.A, Claudenir Andrade, diretor de software houses da Afrac (Associação Brasileira de Tecnologia para o Comércio e Serviços), destacou que “toda empresa vai precisar da tecnologia para sobreviver, independente de sua área de atuação”.

De olho nesse “filão”, a  Positivo Tecnologia tornou público o interesse em investir no setor corporativo e governamental para compensar a queda de venda de PCs para os cidadãos. No segundo trimestre do ano,  59% do faturamento da empresa curitibana veio da divisão “corporate”, composta por empresas e instituições públicas. As vendas do varejo, por sua vez, responderam por 20% da receita, ao passo que 21% da receita veio da venda de urnas eletrônicas para o TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

O avanço tecnológico esbarra na questão dos limites que devem haver para que a tecnologia utilizada em uma empresa não sobreponha o material humano que ela dispõe. A afirmativa é de Cíntia Possas, advogada, palestrante, mentora na área trabalhista, presidente da Comissão de Direitos Coletivos e Sindical da ABA-RJ (Associação Brasileira de Advogados do Rio de Janeiro), Secretaria-Geral da Comissão Nacional Digital da ABA (Associação Brasileira de Advogados) e empresária à frente do Escritório de Advocacia com seu nome e da empresa Casmec Consultoria e Capacitação Profissional. 

“O avanço tecnológico trouxe inúmeros benefícios, sendo os mesmos inegáveis. Todavia, devemos buscar o equilíbrio entre o avanço tecnológico e a valorização do homem frente ao capital”, afirma.

Para Cíntia Possas, a flexibilização e a modernização devem ocorrer em observância aos princípios contidos na Constituição Federal, visando evitar a precarização do trabalho e prejuízos, aumento das desigualdades, jornadas extenuantes de trabalho, riscos à saúde física e psíquica dos trabalhadores e baixa remuneração.

“As novas tecnologias são benéficas à medida em que aumentam a produtividade e geram lucratividade aos negócios”, resume.

A advogada e empresária Cíntia Possas observa que o incremento do uso da tecnologia nas empresas nos últimos anos trouxe à tona novas modalidades de contratação, o que gerou a extinção de determinados cargos e o surgimento de novas profissões. “Outrossim, o profissional, com o surgimento de novas tecnologias, tem que se atualizar, capacitar e ampliar seus conhecimentos”.

Para mais informações, basta acessar: https://cintiapossas.adv.br/

Licença de uso do conteúdo.

O conteúdo do Portal ABRACD.org foi escrito sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.