Entrevista com Eduardo Corsi

1) Conte um pouco de você.

Sou paulistano, 43 anos, casado e morando em Florianópolis ha 20 anos. Pós graduado em Administração pela CEAG – FGV, com enfase em estratégia e marketing. Me considero um agente da comunicação e da mudança comportamental nas organizações onde atuo.

2) Conte como foi sua história com a área de dados, como começou, quais cursos fez e onde trabalhou.

Iniciei minha jornada com dados de maneira pouco ortodoxa. Comecei a trabalhar aos 15 anos, como muitos de minha geração.

Fiz de tudo um pouco, de office boy, olheiro de agencias de modelo, vendedor de shopping center e musico. Apesar de meu pai ser um dos primeiros consultores JDEdwards (um grande ERP à época) e ter montado uma grande consultoria no Brasil, meu sonho era ser biólogo marinho e meu herói era o Jacques Cousteau.

Meu maior pavor era ter que trabalhar em escritório, com terno e sapato social. Com 20 sai de casa para vir morar em Florianopolis já com minha esposa e trabalhar com Alimentos e Bebidas onde atuei com relativo sucesso mas em 2003, com a venda da JD Edwards para a Peoplesoft e depois em 2005 para a ORACLE a consultoria do meu pai sofreu um grande baque e eu resolvi ajuda-lo, principalmente em Marketing, reposicionamento e alianças e acabou dando certo. Veja, minha graduação era administração, sem nenhum background de TI mas, com uma visão no mercado e foco na operação, conseguimos reposicionar a empresa para middle market e diversificamos o portfolio para atender segmentos em franca expansão, como construção civil e hospitais. Também foi nesta época que incluimos o QlikView em nosso portfólio. 

Chegamos a criar o primeiro conector JD Edwards no mundo para o QlikView. Apesar de ótimos resultados decidi encerrar minha participação na empresa e voltar a Florianópolis e algum tempo depois entrei na Toccato como Gestor de Canais, com a missão de ajudar a estruturar o primeiro programa de canais daquela que viria a ser a maior Master Reseller do mundo 2 anos depois.

Atuei na Toccato por 4 anos e tive a oportunidade de aprender muito sobre as iniciativas de dados nos mais diversos segmentos e estudar muito. (Eu que traduzia boa parte do material da Qlik para o Brasil) e tambem foi lá na nossa rede de canais que conheci meus atuais sócios e amigos. Hoje sou Head de Customer Success da iMaps Data Group, sócio consultor especializado em Analytics no Judiciário na iMaps Intelligence e co-autor do Data Driven Canvas, um método para ajudar indivíduos e organizações a serem mais orientados a dados. Tenho uma especialização em Executive Data Science pela Johns Hopkins University e certificado em Data Literacy pela Qlik.

3) Quais são as tecnologias que vão ter destaque em 2021 na sua opinião?

Acredito que há uma forte pressão por um aumento na velocidade de consumo de dados entao todas as tecnologias que ajudem a viabilizar o near real time estao com algum destaque. CDC, estruturação de Data Lakes com pipelines eficientes e catálogos de dados acessiveis e governáveis me parecem ser uma tendencia. RPA e mecanismos que ajudem tanto no consumo como na transformação da descoberta em ações, como alertas tambem tem vez.

4) O que você não recomenda que seja feito na área de analise de dados?

Esquecer que qualquer iniciativa de dados em uma organização só existe para ajudar ALGUEM a tomar uma decisão. O fator humano continua sendo muito menosprezado por cientistas de dados, analistas e desenvolvedores. Não entender o processo decisório, o contexto de onde esta decisão é tomada e quais os objetivos que precisam ser alcançados pode ser fatal.

O Celedo Lopes ( https://www.linkedin.com/in/celedo) fez recentemente uma web serie sobre erros e acertos em iniciativas de dados que eu recomendo: https://www.youtube.com/playlist?list=PLT-XTDCNNKILc04WrOE9ps8L5qP_nfjUv

5) Qual conselho você deixa para os novos profissionais deste mercado.

Que estudem muito, mas que mantenham acesa a chama da curiosidade e a preocupação genuina com o foco na resolução dos problemas apresentados. Não apenas tecnicamente mas buscando entender o fator humano das coisas.

6) Observações

Agradeço ao amigo Roberto Oliveira pelo convite, aos meus colegas do comitê gestor do iMaps Data Group e à minha esposa pela paciência e compreensão.

Convido a todos a conhecer nossa proposta para iniciativas de dados em www.imaps.com.br e a fazer o download gratuito do Data Driven Canvas em www.datadrivencanvas.org

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest