Notícias Corporativas

Brasil investe pouco em P&D quando comparado a outros países

DINO
Escrito por DINO
Brasil investe pouco em P&D quando comparado a outros países
Junte-se a mais de 3.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos sobre Data Science

O investimento em ciência e tecnologia no Brasil se encontra em um patamar abaixo da média quando comparado a outros países. De acordo com o relatório de ciências da UNESCO (2021), o país utilizou cerca de 1,26% do PIB em 2018 para esse fim, enquanto países como China, EUA e Alemanha utilizaram 2,19%, 2,84% e 3,09% respectivamente no mesmo ano. Em evento recente da Confederação Nacional da Indústria (CNI),o presidente Robson Andrade demonstrou preocupação com a redução dos investimentos do Brasil em ciência e enfatizou a necessidade de políticas de longo prazo e melhorias no ambiente regulatório.

No início de agosto deste ano, a Agência Senado publicou que foi sancionada a Lei 14.435/2022, relacionada a alteração de regras de restos a pagar da LDO de 2022, que por pouco não autorizou redução de verbas do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT). A justificativa do congresso para a retirada do artigo que previa a redução foi justamente o baixo investimento do país em ciência e tecnologia e os impactos que essa redução traria, principalmente na parte de pesquisa.

De acordo André Moro Maieski, especialista em investimentos e inovação e sócio da Macke Consultoria, o Brasil investe muito pouco em inovação quando comparado com as seis maiores empresas do ranking da EU Industrial R&D Investment Scoreboard, referente ao ano de 2020. Elas totalizaram mais de 580 bilhões de reais investidos em PD&I (Pesquisa, desenvolvimento e inovação), enquanto no Brasil inteiro, utilizando a porcentagem de 1,20% do PIB, o valor foi de aproximadamente 84 bilhões de reais. Dentro desse cenário, o principal mecanismo para incentivo em investimento em inovação no país é a Lei 11.196/05, conhecida como Lei do Bem Cap. III, que impactou mais de 2.500 empresas no ano base de 2020, aplicando 14,02 bilhões de reais e gerando até 3,87 bilhões em renúncia fiscal, segundo informações do MCTI – Ministério de Ciência Tecnologia e Inovações.

O especialista afirma que essa análise comparativa, tanto em investimento percentual do PIB, quanto em valores brutos, reforça as discrepâncias e valida a tese de que o Brasil ainda investe de maneira muito limitada em PD&I. Considerando que boa parte do investimento – cerca de 15% – é realizado por meio da Lei do Bem, e que o valor total utilizado em inovação equivale a menos do que qualquer uma das maiores empresas listadas no relatório da EU, fica evidente a disparidade e a necessidade de formulação de novas políticas públicas e estratégicas para o setor, finaliza Maieski.

https://www.mackeconsultoria.com.br/

Licença de uso do conteúdo.

O conteúdo do Portal ABRACD.org foi escrito sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.